REALIZAÇÃO

PATROCÍNIO

Foto (informação nutricional): Marcos Santos/USP Imagens

© 2018 Projeto Credibilidade

Indo mais fundo

 

O Centro Markkula de Ética Aplicada da Universidade Santa Clara

 

Conforme o próprio nome indica, a missão do Centro Markkula de Ética Aplicada da Universidade Santa Clara, onde o Trust Project está abrigado, é ajudar indivíduos e organizações a tomar decisões éticas aos problemas reais cotidianos. A Santa Clara é uma instituição jesuítica, mas a grande maioria de seus cursos são de caráter laico.

 

Além de jornalismo, seus professores e estudiosos são especialistas em questões relacionadas a bioética, ética empresarial, ética governamental, ética tecnológica e internet, ética religiosa e ética e trabalho social.

Uma das áreas foco do Markkula é um guia prático com noções básicas sobre o que é e o que não é ética e abordagens concretas para tomadas de decisão.

Abaixo, um breve resumo de conceitos do guia:

O que é ética?
 

A ética diz respeito a padrões de comportamento que nos informam sobre como seres humanos devem agir nas várias situações em que se encontram – como amigos, pais, filhos, cidadãos, empresários, professores, outros tipos de profissionais e assim por diante


É relevante identificar o que não é ética:

 

  • A ética não é o mesmo que sentimentos. Os sentimentos fornecem informações importantes para nossas escolhas éticas. Algumas pessoas têm hábitos altamente desenvolvidos que os fazem sentir mal quando fazem algo errado, mas muitas pessoas se sentem bem mesmo que estejam fazendo algo errado. E muitas vezes nossos sentimentos nos dizem que é desconfortável fazer a coisa certa se for difícil
     

  • A ética não é religião. Muitas pessoas não são religiosas, mas a ética se aplica a todos. A maioria das religiões defende padrões éticos elevados, mas às vezes elas não abordam todos os tipos de problemas que enfrentamos
     

  • A ética não é seguir a lei. Um bom sistema legal incorpora muitos padrões éticos, mas a lei pode se desviar do que é ético. A lei pode tornar-se eticamente corrupta, como fazem alguns regimes totalitários. A lei pode ser o exercício do poder por si só, destinada a servir os interesses de poucos. A lei pode ter dificuldade em conceber ou impor normas em algumas áreas importantes e pode ser lenta para enfrentar novos problemas
     

  • A ética não segue as normas culturalmente aceitas. Algumas culturas são bastante éticas, mas outras tornam-se corruptas – ou cegas a certas preocupações éticas (como os Estados Unidos eram em relação à escravidão antes da Guerra Civil). "Quando em Roma, fazer como os romanos fazem" não é um padrão ético satisfatório
     

  • A ética não é ciência. As ciências sociais e naturais podem fornecer dados importantes para nos ajudar a fazer melhores escolhas éticas. Mas a ciência sozinha não nos diz o que devemos fazer. A ciência pode fornecer uma explicação para o que são os humanos. Mas a ética fornece razões para a forma como os seres humanos devem agir. E apenas porque algo é cientificamente ou tecnologicamente possível, talvez não seja ético fazê-lo

Além de cursos presenciais, o Centro Markkula também oferece cursos on-line sobre temas como:

Outras instituições líderes em jornalismo digital:

Artigos on-line citados pelo Manual da Credibilidade

 

1. Introdução

 

GINGRAS, Richard.; LEHRMAN, Sally. Online Chaos demands radical action by journalism to earn trust. Disponível em: https://medium.com/@GingrasLehrman/online-chaos-demands-radical-action-by-journalism-to-earn-trust-ea94b06cbccb. Data de publicação: 16 out. 2014. Acesso em: 4 dez. 2017

 

2. Conceitos básicos

 

OXFORD DICTIONARIES. Post-truth. Disponível em: https://en.oxforddictionaries.com/definition/post-truth. Acesso em:  4 dez. 2017

SILVA, Carlos Eduardo L.. Morte e vida da imprensa. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/edicao-brasileira-da-columbia-journalism-review/da-pos-verdade-ao-risco-da-pos-imprensa. Data de publicação: 15 ago. 2017. Acessado em: 4 dez. 2017

 

3. Jornalismo e democracia

ABRAJI. 2º Relatório de Desempenho da Lei de Acesso a Informações Públicas. Disponível em: https://www.dropbox.com/s/acinwdbj87ngsa0/ABRAJI%20RELATORIO%20LAI%202013.pdf Publicado em: mai. 2013. Acessado em: 5 dez. 2017

BLOG JORNALISMO NAS AMÉRICAS. CPJ: México e Brasil estão entre os países com maior aumento da impunidade em crimes contra jornalistas nos últimos dez anos. Disponível em: https://knightcenter.utexas.edu/pt-br/blog/00-18953-cpj-mexico-e-brasil-estao-entre-os-paises-com-maior-aumento-da-impunidade-em-crimes-co Publicado em 31 out. 2017. Acessado em: 5 dez. 2017

COMMITTEE TO PROTECT JOURNALISTS. Getting away with murder. Disponível em: https://cpj.org/reports/2017/10/impunity-index-getting-away-with-murder-killed-justice.php Publicado em 31 out. 2017. Acessado em: 5 dez. 2017

 

DINES, Alberto. Aeropagítica, 368 anos depois. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/jornal-de-debates/lt_i_gt_areopagitica_lt_i_gt_368_anos_depois. Publicado em: 3 dez. 2012. Acessado em: 4 dez. 2017

 

LAFER, Celso. A reconstrução dos direitos humanos: a contribuição de Hannah Arendt. Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-40141997000200005&lng=pt&tlng=pt Publicado em maio/ago 1997 (versão Impressa). Acessado em: 4 dez. 2017

 

ORGANIZAÇÃO DAS NAÇÕES UNIDAS. Declaração dos Direitos Humanos. Disponível em: http://www.ohchr.org/EN/UDHR/Documents/UDHR_Translations/por.pdf. Acessado em: 4 dez. 2017

 

PIMENTA, Angela. Mídia. In: Sistema de Integridade Nacional Brasil 2000-2015. Disponível em: https://www3.ethos.org.br/cedoc/sistema-de-integridade-nacional-brasil-2000-2015/#.Wib697Q-fXw Publicado em: 2015. Acessado em: 5 dez. 2017

 

PROJOR. Atlas da Notícias - Mapeando o jornalismo local no Brasil. Disponível em: https://www.atlas.jor.br/ Publicado em 6 nov. 2017. Acessado em: 6 dez. 2017

 

WIKIPEDIA. Iluminismo. Publicação atualizada em: 28 nov. 2017. Acessado em 4 dez. 2017

4. A desinformação na história

 

DARNTON, Robert. The true story of fake news. Disponível em: http://www.nybooks.com/daily/2017/02/13/the-true-history-of-fake-news/ Publicado em: 13 fev. 2017. Acessado em: 4 dez. 2017

5. A desordem da informação

 

COLLINS DICTIONARY. Fake news. Disponível em: https://www.collinsdictionary.com/woty. Acessado em: 4 dez. 2017

 

WARDLE, Claire.; DERAKHSHAN, Hossein. Information Disorder - Toward an interdisciplinary framework for research and policy making. Disponível em: https://rm.coe.int/information-disorder-toward-an-interdisciplinary-framework-for-researc/168076277c. Publicado em 27 set. 2017. Acessado em 4 dez. 2017

6. Panorama da desinformação no Brasil

 

SOLANO, Esther.; ORTELLADO, Pablo.; MORETTO, Márcio. 2016: o ano da polarização? Disponível em: http://library.fes.de/pdf-files/bueros/brasilien/13249.pdf. Publicado em: mar. 2017. Acessado em: 4 dez. 2017

7. Credibilidade – O sistema de indicadores do Trust Project

 

CENTER FOR PUBLIC INTEGRITY. About the Center for Public Integrity. Disponível em: https://www.publicintegrity.org/about. Acessado em: 4 dez. 2017

 

CHICAGO TRIBUNE. Report an error. Disponível em: http://www.chicagotribune.com/chi-report-an-error-htmlstory.html. Acessado em: 4 dez. 2017

 

LEHRMAN, Sally. What people really want from news organizations. Disponível em: https://www.theatlantic.com/technology/archive/2017/05/what-people-really-want-from-news-organizations/526902/ Publicado em 15 mai. 2017. Acessado em 4 dez. 2017

 

MARKKULA CENTER FOR APPLIED ETHICS - THE TRUST PROJECT. Back story - trust indicators journey. Disponível em: https://www.scu.edu/ethics/focus-areas/journalism-ethics/programs/the-trust-project/backstory-trust-indicators-journey/. Acessado em: 4 dez. 2017

 

SBNATION. Our guidance principles. Disponível em: https://www.sbnation.com/guide/disclosure. Acessado em: 4 dez. 2017

8. Mau Jornalismo

 

DUKE REPORTERS LAB. Global fact-checking sites. Disponível em: https://reporterslab.org/fact-checking/. Acessado em: 4 dez. 2017

 

FIRST DRAFT NEWS. Cross-Check Travailler ensemble pour donner des informations authentiques. Disponível em: https://crosscheck.firstdraftnews.com/france-fr/. Acessado em: 4 dez. 2017

 

IFCN. International Fact-Checking Network fact-checkers’ code of principles. Disponível em: https://www.poynter.org/international-fact-checking-network-fact-checkers-code-principles Acessado em: 4 dez. 2017

 

INDIANA UNIVERSITY. Hoaxy - Visualize the spread of claims and fact checking. Disponível em: https://hoaxy.iuni.iu.edu/. Acessado em: 4 dez. 2017

 

PIMENTA, Angela. Claire Wardle: Combater desinformação é como varrer as ruas. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/credibilidade/claire-wardle-combater-desinformacao-e-como-varrer-as-ruas/. Publicado em 14 nov 2017. Acessado em; 4 dez 2017

 

SCHUDSON, Michael. Como saber se uma notícia é falsa. Disponível em: http://observatoriodaimprensa.com.br/edicao-brasileira-da-columbia-journalism-review/como-saber-se-uma-noticia-e-falsa/. Publicado em: 15 ago. 2017. Acessado em: 4 dez. 2017

Outros artigos on-line sobre o tema da Credibilidade

 

ANAND, Bharat N. The U.S. Media’s Problems Are Much Bigger than Fake News and Filter Bubbles. Disponível em: https://hbr.org/2017/01/the-u-s-medias-problems-are-much-bigger-than-fake-news-and-filter-bubbles. Publicado em: 5 jan. 2017. Acessado em: 5 dez. 2017

 

BELL, Emily. Donald Trump is a media organization. Disponível em: https://www.cjr.org/tow_center/donald_trump_media_organization.php. Publicado em 10 jan. 2017. Acessado em: 5 dez 2017

CERQUEIRA, Luiz Augusto Egypto de. Qualidade jornalística: ensaio para uma matriz de indicadores. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189918por.pdf. Publicado em nov. 2010. Acessado em 26 mar. 2018

CHRISTOFOLETTI, Rogério. Indicadores da Qualidade no Jornalismo: políticas, padrões e preocupações de jornais e revistas brasileiros. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189915por.pdfPublicado em: Nov. 2010. Acessado em 26 mar. 2018

EUROPEAN COMISSION. Final report of the High Level Expert Group on Fake News and Online Disinformation. Disponível em: https://ec.europa.eu/digital-single-market/en/news/final-report-high-level-expert-group-fake-news-and-online-disinformation Publicado em 12 mar. 2018. Acessado em: 26 mar. 2018

 

BELL, Emily. How Mark Zuckerberg could really fix journalismDisponível em: https://www.cjr.org/tow_center/mark-zuckerberg-facebook-fix-journalism.php. Publicado em: 21 fev. 2017. Acessado em 5 dez 2017

 

GANDOUR, Ricardo. Why the news isn’t what it used to be. Disponível em: https://www.cjr.org/analysis/why_the_news_isnt_what_it_used_to_be.php. Publicado em: 15 jun. 2016. Acessado em: 5 dez. 2017

GUERRA, Josenildo. Sistema de gestão da qualidade aplicado ao jornalismo: uma abordagem inicial. Disponível em http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189917por.pdf. Publicado em nov. 2010: Acessado em 26 mar. 2018

 

LISBOA, Silvia; BENNETI, Marcia. Credibilidade no jornalismo: uma nova abordagem. Disponível em: https://periodicos.ufsc.br/index.php/jornalismo/article/viewFile/1984-6924.2017v14n1p51/35053. Publicado em: 15 mai. 2017. Acessado em: 5 dez. 2017

LISBOA, Silvia; BENNETI, Marcia. O jornalismo como crença verdadeira justificada. Brazilian Journalism Research. Disponível em: https://bjr.sbpjor.org.br/bjr/article/view/664. v. 11, n. 2, 2015

ROTHBERG, Danilo. Jornalistas e suas visões sobre qualidade: teoria e pesquisa no contexto dos “Indicadores de Desenvolvimento da Mídia. Disponível em: http://unesdoc.unesco.org/images/0018/001899/189916por.pdf Publicado em nov. 2010. Acessado em 26 mar. 2018

 

UBERTI, David. The digital advertising doomsday. Disponível em: https://www.cjr.org/business_of_news/digital-advertising-google-ad-blocker-facebook.php. Publicado em: 5 jun. 2017. Acessado em: 5 dez. 2017

 

Bibliografia impressa

 

ARENDT, Hannah. A Condição Humana. Tradução de Adriano Correia. Rio de Janeiro: Forense, 2014.

 

ARENDT, Hannah. Entre o Passado e o Futuro. Tradução de Mario W. Barbosa. São Paulo: Perspectiva, 2016.

 

ARENDT, Hannah. Origens do Totalitarismo – Antissemitismo, imperialismo, totalitarismo. Tradução de Roberto Raposo. São Paulo: Companhia de Bolso, 2016.

 

ASH, Timothy G.. Liberdade de Expressão – Dez princípios para um mundo interligado. Tradução de xxx. Lisboa: Temas e Debates, 2017.

 

BUARQUE, Aurélio de Hollanda Ferreira. Novo Dicionário da Língua Portuguesa. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1975.

 

BUCCI, Eugênio. A imprensa e o dever da liberdade. São Paulo: Contexto, 2009.

 

BUCCI, Eugênio. O estado de Narciso. São Paulo: Companhia das Letras, 2015.

 

BUCCI, Eugênio. Sobre Ética e Imprensa. São Paulo: Companhia das Letras, 2000.

 

CAREY, James; ADAM, J. S. (prefácio) Communication as Culture – Essays on media and society - revised edition. New York and London. Routledge, 2009.

 

HAMILTON, James T. Democracy’s Detectives – The Economics of Investigative Journalism. Cambridge: Harvard University Press, 2016.

 

KELLY, PAUL. O Livro da Política (org.). Tradução de: Rafael Longo: Globo Livros, 2013.

 

KOVACH, Bill. ROSENSTIEL, Tom. The Elements of Journalism. New York: Three Rivers Press (Crown Publishing Group, Random House), 2007.

 

MANJOO, Farhad. True Enough: Learning to Live in a Post-Fact Society. Hoboken: John Wiley and Sons, 2008.

 

MILTON, John. Aeropagítica - Edição bilíngue. Tradução de Felipe Fortuna. Rio de Janeiro: Topbooks, 1999.

 

PARISER, Eli. The Filter Bubble: What the internet is hiding from you. New York: Penguin, 2011.

 

STUART, JOHN Stuart. Sobre a liberdade. Porto Alegre: L&PM, 2016.

TAMBOSI, Orlando. Jornalismo e teorias da verdade. Intercom – Revista Brasileira de Ciências da Comunicação. São Paulo, v.30, n.1, p.35-48, 2007.

TAMBOSI, Orlando. Informação e conhecimento no Jornalismo. Estudos em Jornalismo e Mídia, v. 2, n. 2, p. 31-38, 2005.

 
 
SUMÁRIO

Navegue pelos capítulos
do Manual da Credibilidade

AVANÇAR 

Ficha técnica:
Autores e agradecimentos